Imprimir

Leishmaniose: Combate ao mosquito é mais eficiente que eutanásia

Quando a decisão é sacrificar ou não um animal de estimação que esta doente, a polêmica é grande. Para esclarecer e explicar as verdades e mitos sobre a leishmaniose e seu tratamento, o médico veterinário e doutorando da USP (Universidade de São Paulo), André Fonseca ministrou uma palestra sobre o assunto no 3° Congresso de Medicina Veterinária no MS e suas Fronteiras - COMVET realizado na Universidade Católica Dom Bosco- UCDB.
Segundo ele, nem todo o animal portador do vírus é transmissor. “Quando o cão apresenta o protozoário, deve ser feito um tratamento e acompanhamento para que os sintomas clínicos não evoluam e que ele não se torne também um transmissor”, explica Fonseca.


Mesmo existindo tratamento, os órgãos de saúde determinam a eutanásia - sacrifício do animal -, porque embora o animal não possa desenvolver os sintomas, ele continua sendo um hospedeiro.
“Não existe nenhum estudo científico que comprove a eficácia da eutanásia, o que deveria existir em maior proporção é a política de combate aos mosquitos. Não adianta tentar solucionar o problema de um lado se os mosquitos continuam se proliferando” completa Fonseca.
O médico veterinário explica que os melhores exames para diagnosticar a leishmaniose são o sorológico e a combinação dos exames laboratoriais, pois apenas o exame sorológico não indicará a leishmaniose, mas sim o contato ou não com o protozoário leishmaniose visceral.



Fonte: Midiamax
Matéria em: http://www.midiamax.com/view.php?mat_id=523383
site: PROANIMA-DF

Gostou do artigo? Compartilhe então!

Hits: 5182

Comentarios (0)


Mostrar/Esconder comentarios

Escreva seu Comentario

Voce precisa estar logado para postar um comentario. Por favor registre-se se caso nao tenha uma conta

busy